sábado, abril 06, 2013


Perguntas de criança...

8


Rubem  Alves


Há muita sabedoria pedagógica nos ditos populares. Como naquele que diz: “É fácil levar a égua até o meio do ribeirão. O difícil é convencer ela a beber a água...” De fato: se a égua não estiver com sede ela não beberá água por mais que o seu dono a surre... Mas, se estiver com sede, ela, por vontade própria, tomará a iniciativa de ir até o ribeirão. Aplicado à educação: “É fácil obrigar o aluno a ir à escola. O difícil é convencê-lo a aprender aquilo que ele não quer aprender...”

Às vezes eu penso que o que as escolas fazem com as crianças é tentar força-las a beber a água que elas não querem beber. Brunno Bettelheim, um dos maiores educadores do século passado, dizia que na escola os professores tentaram ensinar-lhe coisas que eles queriam ensinar mas que ele não queria aprender. Não aprendeu e, ainda por cima, ficou com raiva. Que as crianças querem aprender, disso não tenho a menor dúvida. Vocês devem ser lembrar do que escrevi, corrigindo a afirmação com que Aristóteles começa a sua “Metafísica”: “Todos os homens, enquanto crianças, têm, por natureza, desejo de conhecer...”

Mas, o que é que as crianças querem aprender? Pois, faz uns dias, recebi de uma professora, Edith Chacon Theodoro, uma carta digna de uma educadora e, anexada a ela, uma lista de perguntas que seus alunos haviam feito, espontaneamente. “Por que o mundo gira em torno dele e do sol? Por que a vida é justa com poucos e tão injusta com muitos? Por que o céu é azul? Quem foi que inventou o Português? Como foi que os homens e as mulheres chegaram a descobrir as letras e as sílabas? Como a explosão do Big Bang foi originada? Será que existe inferno? Como pode ter alguém que não goste de planta? Quem nasceu primeiro, o ovo ou a galinha? Um cego sabe o que é uma cor? Se na Arca de Noé havia muitos animais selvagens, por que um não comeu o outro? Para onde vou depois de morrer? Por que eu adoro música e instrumentos musicais se ninguém na minha família toca nada? Por que sou nervoso? Por que há vento? Por que as pessoas boas morrem mais cedo? Por que a chuva cai em gotas e não tudo de uma vez?”

José Pacheco é um educador português. Ele é o diretor ( embora não aceite ser chamado de diretor, por razões que um dia vou explicar...) da Escola da Ponte, localizada na pequena cidade de Vila das Aves, ao norte de Portugal. É uma das escolas mais inteligentes que já visitei. Ela é inteligente porque leva muito mais a sério as perguntas que as crianças fazem do que as respostas que os programas querem fazê-las aprender. Pois ele me contou que, em tempos idos, quando ainda trabalhava numa outra escola, provocou os alunos a que escrevessem numa folha de papel as perguntas que provocavam a sua curiosidade e ficavam rolando dentro das suas cabeças, sem resposta. O resultado foi parecido com o que transcrevi acima. Entusiasmado com a inteligência das crianças – pois é nas perguntas que a inteligência se revela – resolveu fazer experiência parecida com os professores. Pediu-lhes que colocassem numa folha da papel as perguntas que gostariam de fazer. O resultado foi surpreendente: os professores só fizeram perguntas relativas aos conteúdos dos seus programas. Os professores de geografia fizeram perguntas sobre acidentes geográficos, os professores de português fizeram perguntas sobre gramática, os professores de história fizeram perguntas sobre fatos históricos, os professores de matemática propuseram problemas de matemática a serem resolvidos, e assim por diante.

O filósofo Ludwig Wittgenstein afirmou: “os limites da minha linguagem denotam os limites do meu mundo”. Minha versão popular: “as perguntas que fazemos revelam o ribeirão onde quero beber...” Leia de novo e vagarosamente as perguntas feitas pelos alunos. Você verá que elas revelam uma sede imensa de conhecimento! Os mundos das crianças são imensos! Sua sede não se mata bebendo a água de um mesmo ribeirão! Querem águas de rios, de lagos, de lagoas, de fontes, de minas, de chuva, de poças dágua... Já as perguntas dos professores revelam ( Perdão pela palavra que vou usar! É só uma metáfora, para fazer ligação com o ditado popular! ) éguas que perderam a curiosidade, felizes com as águas do ribeirão conhecido... Ribeirões diferentes as assustam, por medo de se afogarem... Perguntas falsas: os professores sabiam as respostas... Assim, elas nada revelavam do espanto que se tem quando se olha para o mundo com atenção. Eram apenas a repetição da mesma trilha batida que leva ao mesmo ribeirão...

Eu sempre me preocupei muito com aquilo que as escolas fazem com as crianças. Agora estou me preocupando com aquilo que as escolas fazem com os professores. Os professores que fizeram as perguntas já foram crianças; quando crianças, suas perguntas eram outras, seu mundo era outro...Foi a instituição “escola” que lhes ensinou a maneira certa de beber água: cada um no seu ribeirão... Mas as instituições são criações humanas. Podem ser mudadas. E, se forem mudadas, os professores aprenderão o prazer de beber de águas de outros ribeirões e voltarão a fazer as perguntas que faziam quando eram crianças.

8 comentários:

Gracita disse...

Bom dia amiga Márcia!
Nossaaa... arrasou no post. Uma verdadeira pérola!

Meu coração pediu pra vir aqui e derramar uma chuva de carinhos em tua página...
Então aqui vai...
Muita paz
Muita ternura
Boas energias
E meu carinho por você
Que o seu domingo seja pleno de alegrias e felicidades
Beijinhos de mel para adocicar o teu domingo
Gracita

Nós Os Cachorros disse...

Marcia minha amiga, que lindo e sábio post!!!
A vida de professora não é fácil mesmo, mas as vezes seceswuwfem realmente de estimular a curiosidade das crianças!!!
Esclarecer as duvidas de uma criança é muito importante!!!
Conversar com elas, largar o "programa educacional" às vezes é a melhor solução!!!
Ótima dica!!!
Beijos

Gracita disse...

Bom dia amiga árcia
Não são as coisas bonitas que marcam nossas vidas, mas sim as pessoas que têm o dom de jamais serem esquecidas. E você está sempre presente no meu coração. Estou participando do Concurso de Poesia - O 1º Pena de Ouro, promovido pelo amigo Marcos do Blog Bicho do Mato. O meu poema é ENCONTRO DE AMOR. A enquete para votação está na lateral direita do blog e o meu poema é o 2º da lista. Se você não tiver compromisso assumido com outro amigo(a) ficarei muito feliz de receber o teu voto. Bastar clicar nele e confirmar teu voto. Acesse link para ler e votar http://blogdobichodomato.blogspot.com.br/2013/04/encontro-de-amor_20.html
Deixo meu abraço de agradecimento pelo teu apoio.
Beijinhos com ternura
Gracita

Gracita disse...

Amiga venho te convidar para responder uma tag. Passe aqui e veja se quer participar. http://lereaprendersorrindo.blogspot.com.br/2013/04/uma-tag-supimpa.html
Uma semana abençoada.
Beijos
Gracita

Toninha Borges disse...

Participei da entrevista Fala Multiplicador ficaria muito feliz se desse uma passadinha no meu blog Educar - O primeiro passo e deixasse um comentário.
Bju

marquecomx disse...

Bom dia Multiplicadora Márcia, desejamos muita paz pra você e a sua família!

Venho em nome dos EDUCADORES MULTIPLICADORES convidar você a:

@ Parabenizar os multiplicadores do mês;
@ Dar as boas vindas aos novos multiplicadores;
@ Retribuir comentários em sua postagem de publicação (na página índice).

Multiplicadora, precisamos de sua visita para que o Projeto Educadores Multiplicadores tenha vida e continue crescendo. Contamos com a sua presença! Os Multiplicadores agradecem a gentileza e compreensão. Ah, no mês de junho tem novidade no E.M.

Excelente sábado, obrigado pela parceria, fiquemos na Paz de Deus e até breve.

IRIVAN

Gracita disse...

Boa tarde amiga Márcia
“Uma amizade verdadeira é um tesouro que não se pode perder.” Vim cultivar a minha ! Deixo-te meu carinho e meu abraço. Que o seu dia seja cheinho de paz, amor e boas energias.
Beijos
Gracita

Gracita disse...

Oi minha querida amiga
Um domingo de paz e harmonia
Beijos de saudades
Gracita

Postar um comentário